TI na Prática > Colaboração

CPFL conecta unidades de apoio com vídeo colaboração e aumenta produtividade

Ao implantar um sistema de colaboração, a companhia de geração e distribuição de energia promoveu a integração das estratégias de prestação de serviços

17 de Janeiro de 2017 - 10h22

Por muito tempo, a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) teve o telefone como o único sistema de comunicação para conectar todas as suas unidades que atendem no total 569 municípios. Mas, a partir de 2012, a empresa decidiu que era necessário inovar na comunicação com objetivo de encurtar distância, evitar longos deslocamentos e fazer que com que as decisões e estratégias chegassem de maneira mais rápida, otimizando o tempo dos funcionários.

Após muita pesquisa no mercado, a companhia, que atua em 12 estados brasileiros por meio de suas empresas controladas, na geração, distribuição e comercialização de energia e na prestação de serviços, optou pelas soluções de colaboração da Polycom, o que facilitou a comunicação entre seus colaboradores e já reflete no dia a dia da empresa.

“A gente precisava de soluções que evitassem os deslocamentos que levavam o dia inteiro e que limitavam o tempo das nossas reuniões eram realizadas sempre às pressas, foi por isso que começamos a pensar na utilização da videoconferência, desde então escolhemos a Polycom por atender as nossas necessidades de colaboração com a nossa equipe”, afirma Luiz Faion, analista de tecnologia da informação da CPFL.

O sistema de vídeo colaboração também é a uma importante ferramenta na Universidade Corporativa da CPFL, que mantém centros de treinamento em Americana, Araraquara, Ipaussu, Ribeirão Preto, Bento Gonçalves, Caxias do Sul e Erechim e, em parceria com Senai, em Indaiatuba e Bauru. Com as soluções da Polycom, a empresa reúne e capacita líderes e colaboradores visando reforçar a competência em um contínuo processo de aprendizagem, compartilhando a cultura da empresa e lições de cidadania e qualidade de vida.

Os números evidenciam a diferença que as soluções de vídeo colaboração interferem no dia a dia da empresa em aproximar pessoas, reduzir distância, comunicar com qualidade. No ano passado, a CPFL já registrou 12.030 horas de reuniões, e demais atividades, gerando uma média mensal de 1.503 horas. A Universidade Corporativa ainda neste ano já consumiu 278 horas exclusivamente para treinamentos. Outros dados importantes em 2016 são as 7.657 chamadas que dá uma média de 957 por mês.

Mais Lidas

“A videoconferência da Polycom retratou uma mudança de cultura na CPFL, economizamos com deslocamentos, longas viagens e ganhamos muito em qualidade de vida e eficiência na comunicação, reunindo nossas equipes de forma muito rápida”, enfatiza, Luiz Faion.

A CPFL está conectada em 24 cidades distribuídas em quatro Estados — São Paulo, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Distrito Federal — com várias soluções que compõem o portfólio da Polycom.